segunda-feira, outubro 26, 2009

Trem bala para Kyoto

Minha primeira aventura "solo" pela Terra do Sol Nascente. Peguei o tal "Trem Bala", aqui chamado Shinkansen para Kyoto. Impressiona o tamanho do trem, comprido por fora e largo por dentro. Com cadeiras espaçosas, confortáveis... Infinitamente melhor pra viajar que os aviões atuais, em todos os aspectos.

dentro do trem bala
trem bala shinkansen
Shinkansen IN/OUT

Assim, a viagem pra Kyoto foi bem tranquila. Almocei, no trem mesmo, um "Bento". Bento são pratos prontos que você compra em todo lugar no Japão. É a nossa marmita, só que mais arrumadinha. Ou seja, o Papa Bento, na verdade é o Papa Marmita. Meu Deus! Almocei o Papa!!!

Em Kyoto, fiquei no hotel New Miyako. Ficar sozinho em um quarto de Hotel é maravilhoso. É o supra sumo da individualidade o apogeu do seu momento espaçoso. Você tem 2 camas de casal pra você. pode dormir numa montanha de travesseiros, usar 2 cobertores, ver TV a noite toda, tomar banho e usar todas as toalhas e andar no quarto com uma cueca na cabeça, embora eu nunca tenha feito isso. Ninguém vai te encher o saco. Infelizmente, cheguei no Hotel 12h40, com uma excursão programada pra 13h30 e o check in só poderia ser feito a partir das 14h. Não pude, ainda, saborear meu momentum de tranquilidade no hotel.

Uma excursão me levou a três templos: Heian-ji, Sanjyusangen-do e Kyomizu-dera. O Heian-ji, primeiro deles me impressionou pelas cores. Primeiro templo verde/vermelho e branco que eu vi na vida. Não é uma construção muito chamativa. Tem, na parte de trás, um jardim muito bonito e uma bela passagem sobre o maior dos lagos. Em um lago menor, cheio de lótus, carpas e tartarugas, há uma passagem de pedra que segundo a lenda é a coluna de um dragão que te leva até o céu se você subir nele. Mas antes de subir, a pessoa deve se inclinar em sinal de respeito. Para tanto, o paisagista entortou um pinheiro bem na entrada da passagem, o que obriga todos a se inclinarem. Tudo é bem planejado. Na passagem, você vê o reflexo do céu no lago: é o dragão te levando nas nuvens... Foi o 4o templo mais interessante dentre os 6 que eu vi em Kyoto.

heian ji em kyoto
Entrada do Heian-ji

lago no templo heian ji
A passagem sobre o lago.

O Sanjyusangen-do tinha como ponto de interesse as 1000 estátuas de Buda, dispostas ao lando de uma grande estátua da Kanon, a deusa dos mil braços. Acendi um incenso para a Deusa, com quem simpatizei. As 1000 estátuas impressionam mas, se você viu uma, as outras 999 não oferecem lá muita diferença. O interessante é ver o conjunto. Como fotos não são permitidas, eu emburrei com o templo e ele, apesar da overdose de Budas, acabou indo pro final do meu top 6.

O caminho para o Kyomizu-dera foi muito bonito. Uma subida por uma rua antiga e estreita da cidade levava a várias escadarias que conectavam as partes do grande "templo das águas" construido no flanco de uma montanha. Número 3 da minha lista.

templo kyomizu dera em kyoto
O Kyomizu-dera. No flanco da montanha. Não falei??

O templo estava lotado de turistas e por isso, o grupo se dispersou. A última vez que eu vi a guia, ela falava sobre umas "pedras do amor". Uma lenda local que mandava você caminhar de uma pedra a outra de olhos fechados para atrair o amor da sua vida. Ou algo assim. Antes de ela terminar eu já caminhava na direção oposta, para poder ver todo o templo. Consegui ver a fonte da juventude e beber da sua água, tirar várias fotos, ver as tais pedras do amor e correr como um louco para não perder o ônibus (primeira corrida da viagem). Voltei para o hotel para me esparramar pelo meu quartinho mais ou menos!

hotel new miyako em kyoto
Tio Piras, chefe do HQ em Tokyo havia me dito para ir para o outro lado da estação, onde eu encontraria a meca dos restaurantes de Kyoto. Esse local foi a coisa mais difícil de achar de toda a viagem e, das 18h40 às 20h30 eu perambulava pela estação da cidade, em busca do "prédio de pé direito alto, perto de uma loja de departamentos, com escadas rolantes que te levam 11 andares acima". Enfim achei o local, por uma entrada fora da estação. É uma das maiores construções de aço e vidro do Japão, com um "vão" impressionante. Da enorme variedade de restaurantes do local (2 andares inteiros de cada lado do edifício, mais alguns no subsolo) escolhi comer okonomiyaki, a "crepe" japonesa, que você frita no centro da mesa com os ingredientes que escolher.

Uma das coisas que mais gostei de fazer aqui é me perder intencionalmente pelas ruelas escuras da cidade. Lugares que em qualquer outro país do mundo, nenhum cidadão em sã consciência frequentaria. Becos e ruelas escuras em Nova York, Rio ou Vancouver costumam ser no minimo sujos e mal frequentados. Aqui são locais charmosos. Você sempre vê uma eventual velhinha passando de bicicleta com as suas verduras ou uma adolescente correndo ouvindo MP3. Dos dois lados dessas ruas, que em geral não têm transito de carros, encontram-se bares e restaurantes tradicionais japoneses, com peixes secos pendurados na entrada e NENHUM cardápio em inglês. Você aponta pro preço e espera a surpresa. Foi em um bar desses que terminei minha primeira noite em Kyoto, atraído pelo letreiro "beers from around the world". Havia cervejas da Jamaica, de Trinidad e Tobago, do México... E nenhuma brasileira!!! Estamos mal na fita! =/

Acabei tomando sakê mesmo.

2 comentários:

Gabrielle Avelar disse...

Rafa, você esqueceu de dizer se o Papa é gostoso!!! Hehehehehehe!!!
Que viagem linda... Estou com uma "invejinha" de você... Afffff!!!
Amei o templo no flanco da montanha. Ou, pelo menos na foto ele é lindo demais... E do jeito que gosto... Bem, bem... Bem... Como eu poderia dizer... Montanha!!! Hehehehehehe!!!
Parabéns! Como sempre, seus textos são imperdíveis!

Daniel M disse...

então... vc gostou do tal do shinkasen.... o "minhocão".... sei!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...