segunda-feira, maio 31, 2010

Bandeiras do Brasil

Sempre tive um certo interesse por bandeiras. Volta e meia, pesquiso por aí informações sobre bandeiras históricas, bandeiras que tenham mudado...

E desde criança, a bandeira do Brasil me chama a atenção por ser bem diferente das demais, com o losango amarelo no centro. A começar pelas cores vibrantes que me lembram um papagaio. Nunca um país no norte europeu poderia ter essas cores na bandeira; seria uma contradição. Basta ver as cores da Estônia, azul, branco e preto, como que nos avisando de que lá o céu é azul, o chão é branco e o dia é curto (interpretação minha; o significado das cores deles deve ser totalmente diferente). Nós, país tropical, podemos nos fazer representar pelo papagaio, bicho gaiato e falante.Além das cores, acho interessante a faixa com os dizeres "Ordem e Progresso". Quem não fala português, não sabe o que está escrito e, se fosse eu, ficaria no mínimo curioso.

Todos nós já vimos em nossos livros de história as bandeiras históricas brasileiras. As elaboradas e imponentes do Império, as da República recém proclamada, cópia horrenda e infeliz da americana. Porém, mais difíceis de se encontrar por aí, mas igualmente interessantes, são as propostas recusadas para a bandeira do Brasil.

Encontrei-as em um livro e em um obscuro site há muito tempo. Hoje você encontra facilmente na Wikipedia. A maioria delas usava as cores vermelha preta e branca, em alusão tanto aos povos que formaram o Brasil (o europeu, os autóctones e o africano-os asiáticos ainda deviam ser poucos) quanto à bandeira alemã da época anterior à primeira Guerra. Seguem algumas, provavelmente as mais famosas.

proposta para a bandeira do brasil
Projeto de 1908; Wenceslau Escobar. Esse provavelmente não era positivista. Se dependesse dele, o Brasil não teria ordem nem progresso. Pra nós, acostumados com a bandeira atual, essa parece um tanto vazia...

bandeira alternativa do brasil
Projeto de Eurico de Góis, com a Cruz de Malta e o Cruzeiro do Sul. Haja Cruz.

proposta para a bandeira do brasil
Projeto de Oliveira Valadão, 1892. Parecido com a nossa atual, mas com as Armas no centro. Antes de ver essa bandeira, já havia imaginado a bandeira do Brasil assim. Acho bem interessante, ainda que meio "carregada".

bandeira do brasil alternativa
Projeto de Silva Jardim. Bem diferente, com a cor branca em baixo e não ao centro como ocorre em tantas bandeiras... Só me pergunto o porquê da âncora. Talvez o projetista fosse da Marinha?

bandeira do brasil alternativa
Projeto de Júlio Ribeiro, 1888. Parece que esse projeto foi muito bem aceito e hoje é a bandeira de São Paulo. Agora, olhem bem o mapa do Brasil. Vi isso hoje. Como era 1888, o ACRE não está no mapa! E é exatamente esse mapa que aparece na cartilha que eu mencionei em um post anterior. 

proposta para bandeira do brasil
Projeto de J. M. da Silva Paranhos, 1888. De todas as bandeiras que não foram, essa é aquela que eu gostaria que tivesse sido. Gosto da disposição das cores e do brasão no centro, com o sol também presente nas bandeiras uruguaia e argentina. Porém, tenho dificuldades em imaginar um Brasil vermelho-preto-e-branco...

quinta-feira, maio 27, 2010

Poderia ter ido dormir sem essa...

Diálogo fim de noite em um fim de semana, comentando eventos passados que se encaixariam na música "Eduardo e Mônica", na linha "festa estranha com gente esquisita".

[...]
Anastássia: "Cara!!! Tu viu o Balduíno sem camisa com aquele shortinho-atóchado, 3 números abaixo do normal?? O bicho parece que tá grávido!"

Ciprião: "É... Ele está pior que eu. Sério... A coisa ali está preocupante."

Anastássia: "E ele ainda tem até mais peito que eu! Dá até inveja!" 

Ciprião: "Ah sim! Mas isso pode até ser leite, sabe? Eu já li que homem pode dar leite."

Anastássia: "..."

Ciprião (percebendo o espanto de Anastássia com a bombástica revelação): "Sim. Eu estava lendo uma matéria sobre câncer de mama masculino e essa informação tava no meio. Se o Balduíno está prenho, vai ver ele tem leite!"

Anastássia: "Aaaaaaaaaaaaaaaiiii!!! Que nooooooooooooooojoooooooo!!! Porque você foi me falar isso, Ciprianim????"

Ciprião: "Já pensou? Podemos ordenhar o Balduíno."

Anastássia: "Hahahahahahahahaha. Chega!!!!"

Ciprião: "...dá queijinho..."

Anastássia: "Páaaaaaaaaaaaaaraaa!!!!!!!"

terça-feira, maio 25, 2010

O Acre

Primeiramente, quero pedir desculpas aos acreanos que possam se sentir ofendidos com o post. Mas, cada um com seus problemas, cada estado com suas peculiaridades, meu Rio com suas favelas, e venho aqui pra discutir a tese de que...

...O ACRE não existe! Cada dia mais, fico convencido disso. O pior é que meu pai já foi lá (pr'onde será que o véio REALMENTE foi?? País das Maravilhas?), já saí com uma acreana, já até tirei foto com a Miss Acre, linda e alta, que me fez parecer um anão. Mas não existe.

miss acre
Miss Acre

Tudo começou em 2002. Eu e uma amiga estávamos sem nada pra fazer MESMO e resolvemos "conhecer" pela Internet alguns lugares que nunca tínhamos ido. E que não fazem parte da lista de viagens da maioria da população. "Fotograficamente", fomos pra Bangui, Uagadugu, Kampala, Vientianne, Paramaribo, Cayena e ela sugeriu: "Você já foi ao Acre? Lá deve ser bem diferente..." Lá fomos nós. Google; Acre. Só imagem de floresta. Mata densa, sem civilização, uns caboclos na beira do rio, Chico Mendes. Foram as paisagens que vimos. Sites do Governo do Acre: nenhum abria!! Tentamos Rio Branco e só conseguimos o Barão. Aí começaram minhas suspeitas... No Google, você achava de tudo! Como não achava o Acre?

bandeira do acre
A bandeira acreana. Ouvi dizer que por um breve período o Acre foi um país. Nessa época, a bandeira não tinha essa estrela vermelha.

Mais tarde, em 2005, entrei em uma comunidade do Orkut (mas já saí) chamada "Acre is a Lie". Descobri que 3250 pessoas mais ou menos partilhavam da minha tese.

No início do ano, vi uma cartilha em um Ministério com um mapa do Brasil no cabeçalho. Um mapa truncado, com 26 estados: haviam amputado o Acre. Cheguei a tirar uma foto na época (Essa vai pro Blog!!), mas acho que perdi e vou ficar devendo.

mapa do brasil sem o acre
Achei a foto! Impressão minha ou tem um Acre a menos no mapa???

Finalmente, ontem eu li no G1( http://bit.ly/99ACTc ) sobre um terremoto naquele estado. Logo abaixo da manchete estava a frase: VCno G1: Está no local? Mande sua foto, seu vídeo ou seu relato. Êpa! O G1, da Globo, com jornalista espalhado pelos quatro cantos do mundo e talvez além, pedindo uma mãozinha aos internautas pra cobrir um tremor no Acre? Falta de profissionais ali ou falta de "ali"? No mínimo estranho...

E cada vez mais, fatos comprovam a lenda. E eu, cada vez mais um São Tomé, só acredito vendo.

segunda-feira, maio 17, 2010

Blogger!

Aula de informática. O professor estava falando sobre os serviços da Internet. Motores de busca, webmail, twitter; que é um "microblog"-coisa que eu discordo; e blog, entre outros. A definição dada por ele a "BLOG" foi a de "uma forma de perda de tempo adotada por pessoas que acreditam que suas vidas interessam ao resto da humanidade". Continuou qualificando os blogueiros profissionais (probloggers) de "escória da raça humana" (ele se enquadra na primeira categoria).

O primeiro blog que eu li era escrito por dois amigos meus. Não lembro o nome e acredito ter ele durado por pouco mais de dois meses. O segundo blog que eu li chamava-se Caly at All (nunca entendi o nome desse blog. Talvez uma modificação da expressão Nothing at All? Trocar Nothing por um nome próprio não me faz muito sentido). Minha amiga que escrevia at All contava muito de sua vida ali. Às vezes tanto que eu até assustava. Mas era eficiente. Meu professor teria ficado espantado. Sim, o mundo estava de fato interessado em sua vida, visto a popularidade de seu site.

Agora, se postar a vida é sinônimo de uma pretensiosa perda de tempo, o que dizer de seguir blogs? Isso, imagino eu, deve ser pior ainda. Bigue Broder Virtual!! E quantas pessoas não ficam seguindo a vida de totais desconhecidos? Eu mesmo já segui.

E finalmente, a má notícia para todos que me seguem. O meu blog, nem pra falar da minha vida fala. Só escrevo trivialidades que não acrescentam nada a cultura de ninguém.

...Mas se deixarem de me seguir, vou ficar triste.

--------------------------------------------

Voltando ao Twitter, pra mim não é um microblog. É uma ferramenta caótica por sua velocidade, cacofônica pela quantidade de informação improcessável e anárquica por ser deliberadamente usada como MSN Messenger, Forum, ICQ, fotolog e, de repente, até Orkut. Ao mesmo tempo odiável e adorável em sua simples complexidade...

quarta-feira, maio 12, 2010

"Comer & Beber 2010/2011", por um comilão

Todo ano chega a minha casa o que eu chamo carinhosamente de "A Bíblia da Comida". Trata-se de uma edição especial da revista Veja em que várias pessoas votam no melhor "lugar-para-comer", em diversas categorias. Com este guia nas mãos, fico sabendo de possíveis locais interessantes pra ir em um sábado à noite. Quem me conhece sabe que eu AMO comida. Ciente de que a Veja não deve me chamar para ser júri nos próximos anos, resolvi fazer minha própria lista. Um "B-Side"da Veja. Com a palavra, não um chef ou uma celebridade da capital, mas um reles gourmand.

(Veja) Café: Vanilla
(Pepperman)- Cafés em Brasília são bem equivalentes, na minha opinião. Fico entre o Quitinete e o Blenz, em frente ao Vanilla.

Creperia: C'est si bon
- Minha escolha é fácil nessa categoria. Não gosto muito de crepe. Com uma exceção: "La Crêperie". Para mim, de longe, é a melhor.

Doceria: Daniel Briand
- Também não gosto muito de doces... Sem voto.

Empório Gourmet: La Palma
- La Palma!!! Comprei um curry importado da Índia maravilhoso! Sempre acho algo interessante por lá.

Padaria: La Boulangerie
- Com um voto orientado por puro bairrismo; Belini.

Salgado: Sweet Cake
- Empada Carioca. Mas só para pedir empada (cuidado, ela vem quente)! Outro salgado maravilhoso é o folheado de queijo com palmito da Casa do Pão de Queijo.

Sanduíche: Marvin
- Hum... Muito bom, mas recentemente apareceram uns árabes pela cidade. Tem o sanduíche do Sadek na Feira do Jack Sparrow; o mais "árabe" dentre os árabes, e o Hayal Kebab, mais bem elaborado. Meu voto fica com o Hayal, pois além do sanduíche, que é muito bom, o atendimento sempre foi excelente (coisa rara em Brasília) e eles servem "lassi", uma bebida muito refrescante, a base de iogurte, ideal pra quando eu saio de um dia de sol no clube...

Sorvete: Saborella
- Parmalat

Suco: Bendito Suco
- Suco?? LASSI!!! Ver acima!
-----------------------
Boteco: Beirute
- Por "Boteco" eu entendo um lugar barato, bom e levemente pé-sujo. Unanimidade entre eu e meus amigos, a Pastelaria Rossoni reina absoluta nessa categoria e faz qualquer Beirute correr e se esconder atrás da porta, por mais que pese a tradição. No Rossoni, você tem direito a carne de sol na chapa, boiando na manteiga, pastéis MEGA-recheados (ainda não achei em Brasía pastel com mais recheio), boa variedade de sucos e petiscos e mesas de plástico num chão de brita. Consumir com moderação...

Chope: Bar Brasília
- Sem dúvida, o Bar Brasília tem o melhor Chope... Porém, eu adicionaria aqui o Outback só porque eu adoro ver aquela caneca branca de tão gelada chegando à minha mesa.

Cozinha: Boteco
- Bar da Brahma. Achei o cardápio deles bem interessante.

Música ao Vivo: Gate's Pub
- Gates!

Para ir a dois: Rayuela
- Algum lugar com vista pro Lago, longe das multidões do Pontão.

Para paquerar: Calaf
- Nesse sentido, estou meio desatualizado. Mas há uns anos atrás, lembro que a Cachaçaria Água Doce trazia bons frutos (o MoJo era forte por ali).
-----------------------
Brasileiro: Mangai
- Xique Xique. Não me canso de comer lá e nunca me decepciono.

Carne: Fogo de Chão
- Sou altamente carnívoro. E fã do BSB Grill.

Cozinha contemporânea: Aquavit
- Infelizmente, as cozinhas "contemporâneas" estão, via de regra, fora da minha realidade orçamentária. Só de falar em Aquavit, Gazebo e Babel; com a certeza de uma conta com mais de dois dígitos; minha carteira se esconde em baixo da cama. =(

Francês: Alice Brasserie
- Nunca comi em um restaurante francês em Brasília.

Ibérico: Sagres
- Não sou um grande apreciador da culinária ibérica... Pra não deixar o tópico vazio, os melhores bolinhos de bacalhau eu comi no Xique Xique e no Bier Fass do Pontão.

Italiano: Trattoria da Rosario
- Spaghetti com Bottariga da mamãe. Scuzi, Rosario!

Japonês: Kosui
- Em vez de escolher um japonês, prefiro criar uma categoria "Asiáticos" e escolher o Pan Doo, que nem na Veja está. É um restaurante novo e escondido, no estilo "Asian Fusion" com pratos inspirados na culinária do Paquistão pra direita. Grande variedade de sabores, preços em conta e uma certa "originalidade" justificam minha escolha.

Peixes e Frutos do Mar: Bargaço
- Minha dica: lula ao alho e óleo no Retiro do Pescador. Não sou um grande apreciador de frutos do mar. Exceto quando o assunto é lula!

Pizzaria: Fratello Uno
- Não-Rodízio, tem a Don Giovani no Lago Sul e a Baco. Agora, quando estou com vontade de rodízio, vou para a Sicili. Certa vez li em um adesivo no Hooters: Pizza is like sex. When it's good, it is very good. When it's bad, it is still very good. Concordo plenamente.

Variados: Piantella
- Resta saber o que o povo da Veja quer dizer com "Variados". Pode tudo?? Entre os votados, estava a Forneria Baco, aberta há pouco tempo no Park Shopping. Com um buffet interessante e leve e as pizzas da Baco acompanhando, não fica difícil escolher.

Bom e Barato: Roma
- Novamente, o Xique-Xique aparece na minha lista. Em dias de fome empolgada, eu e meu irmão íamos pra lá, comíamos MUITA comida, levávamos pra casa o que sobrasse, bebíamos e a conta (serviço incluído) não chegava a 50 reais! 0_0 Depois dormíamos a tarde toda, com a consciência leve, em oposição ao estômago.

Chef do Ano: Simon Lau Cederholm
- Pra votar aqui, só com uma pesquisa muito rebuscada (que eu obviamente não fiz).

Carta de Vinhos: Dom Francisco.
- Sair comparando cartas de vinho seria algo totalmente antieconômico para a minha existência...

~@ Bon apétit!!!

segunda-feira, maio 03, 2010

Eu, Minotauro

Tibia, conhecem? É um MMORPG mezzo-grátis, infestado de crianças brasileiras falando um dialeto bizarro com palavras do tipo "roxxxxx, rulezzzzzz e n00b". Joguei pela primeira vez em 2001. Aí em 2002 cansei de jogar e voltei, de curiosidade-para ver o quão o jogo havia evoluído, em 2008. Desde então, jogo esporadicamente, alternando semanas de intensa jogatina e meses de esquecimento. Desde fevereiro, meus personagens (a saber Penumbra the Goth e Tonton Macoute) estão no limbo, com teias de aranha e empoeirados.

Como todo bom RPG, no TIBIA você explora um mapa gigantesco cheio de monstros que querem ver sua caveira. Ao matar esses monstros você ganha moedas de ouro e outros itens (loot, no jargão do jogo). Certos monstros dão um loot mais raro, fazendo com que haja uma hierarquia de loot. Por exemplo, é difícil achar uma Katana após matar um Rotworm. Eu mesmo nunca achei. Isso faz com que em certas partes do jogo, a Katana seja valiosa.

Minotauros, além de armas e dinheiro dão colares e couro como itens raros e semi-raros. Por isso, são monstros muito visados no jogo.

Há uns dois anos (mas só fui lembrar disso agora) eu tive que me deslocar de um ponto da cidade a outro a pé, levando uma mochila contendo US$ 2.000,00 em notas de 100,00 em um envelope. Esse deslocamento incluiu uma passagem pela rodoviária e pelo metrô, locais cheios de gente (que no dia me pareceram mais mal-encaradas). Nesse dia, eu estava jogando Tibia. Me senti um Minotauro, apavorado com o aventureiro que entra em sua caverna para lhe arrancar o couro. Se me assaltassem ou me abatessem, o meu loot estava muito bom. Ainda bem que aqui não é Tibia.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...