sexta-feira, dezembro 28, 2012

Kumon

Para quem não sabe, Kumon é uma instituição de ensino japonesa, presente em mais de 40 países. Ali, os alunos são incentivados a fazer exercícios, corrigí-los e buscar informações pertinentes ao assunto. Tudo sob os cuidados de um orientador. Com o método, há um ganho em disciplina, raciocínio, concentração, entre outros. Dentre algumas matérias estão a matemática e a língua japonesa.

Pessoalmente, eu acho muito interessante essa metodologia. Porém...

Outro dia eu passei em frente à porta de uma das unidades e me deparei com isso:

logotipo kumon

O que me remeteu a isso:

kumon pokerface
2x - y² e... Sono. Muito sono!

Kumon... Isso em seu logotipo não é uma criança autodidata, motivada para estudar, feliz com seu progresso na matemática. É um sujeito triste, de saco cheio da vida, cansado de fazer exercícios, pensando na morte da bezerra e com cara de meme. Não quer estudar e ser alguém na vida; quer ir pra casa e jogar Playstation.

Eu nunca estudei com vocês mas, se o tivesse feito, com certeza teria aprendido a tabuada antes dos 18 anos. Não me conformo com a carinha indiferente. O negócio de vocês é o desafio, que tem como pré-requisito a motivação para encarar e vencer as dificuldades. Assim, por tudo que fazem pelos milhões de alunos, o logotipo Kumoniano deveria ser mais próximo disso: (só uma sugestão)

logotipo alternativo kumon
Resolver equações de segundo grau: mais legal que jogar Call of Duty!

segunda-feira, dezembro 24, 2012

O Papai Noel brasileiro.

Papai Noel. A origem de um velho barbudo que sai por aí no Natal distribuindo presentes vem do norte da Europa e sua roupa vermelha não é influência da Coca Cola, como muitos acreditam. A entrega de presentes, que alegra as crianças no final de dezembro no frio, escuro, deprimente e nevado inverno do norte europeu já foi responsabilidade de várias entidades. Duendes, Santos e Papais faziam a alegria dos pequenos. 

O Papai Noel como conhecemos no Brasil e em grande parte do mundo, tem na sua roupa vermelha a influência de Sinterklaas. Esse sujeito com nome esquisito é o São Nicolau holandês, que pelo dia 5 de dezembro, sobre um cavalo branco mágico comedor de cenouras, visita as casas deixando presentes. Ainda hoje é muito comum na Bélgica e Holanda e aparece na forma de um bispo com uma barba pontuda vestido de vermelho. 

Já o nome vem de Father Christmas. Pai Natal, como é "impopularmente" chamado. Father Christmas é um velho pagão inglês vestido de verde, com uma coroa de galhos na cabeça e um cajado com folhas. Tecnicamente é um druida, mais interessado em comida e vinho do que em distribuição de presentes.

Porém... Um velho branco, pagão com roupa de bispo morto de frio... Não tem nada a ver com Brasil. A solução para tornar a tradição mais realista foi criar um Papai Noel Brasileiro, com o nome de VOVÔ ÍNDIO. Na época em que o nacionalismo e integralismo ganhavam força, pelos anos 20 e 30, o Papai Noel começou a ser visto com maus olhos e decidiram arrumar um substituto. Filho de uma negra com um índio, criado por uma família branca e ex-escravo, o benevolente Vovô esculpia presentes na madeira e entregava às crianças no Natal. Mas apenas umas poucas crianças e o Getúlio Vargas devem ter recebido presentes de jacarandá, pois a ideia não vingou. O material sobre o bom velhinho dos trópicos é escasso e controverso. Muitos acreditam que o tal Vovô seja uma criação de Monteiro Lobato para políticos nacionalistas. Outras evidências apontam para a simples inexistência de um projeto para essa entidade, já que os integralistas eram conservadores e ligados aos costumes religiosos o que, a rigor, deixariam qualquer entregador de presente - índio ou não - de fora da festa. 

Seja lá como for, feliz Natal a todos. Com Papai Noel mesmo.

vovo indio
Um velho magro, sem barba, sem roupa (segundo as descrições)... Não é exatamente a imagem de um vovô afável. E eu não vejo um desses num shopping posando para fotos...

sexta-feira, dezembro 07, 2012

Micronações

Conforme sugerido em uma postagem anterior.

Eu não estou falando de Kiribati, Vaticano, Micronésia ou outro país com uma área pequena. Estou falando de uns lugares que nem são "Nações", exceto para alguns poucos que vivem neles. Conhecidos como "micronações", são áreas de terra (ou quase - algumas são virtuais), com um punhado de gente (no mínimo um habitante) e uma pretensão nacionalista. Essas esquisitices acontecem quando um indivíduo sofre tilt e acorda com a melhor idéia de sua vida: "vou fundar um PAÍS!!". Pra agravar a situação, geralmente eles  vão adiante... Existem bastantes por aí; as mais famosas sendo provavelmente Sealand e Hutt River. Outras incluem Freedonia, Conch Republic, Seborga e o Meu Quarto...

bandeira design
A bandeira do meu quarto. Inventei agora.

Durante a Segunda Guerra, para se proteger contra ataques alemães, os ingleses construíram uma série de bases militares no meio do mar, erguidas sobre pilares de concreto. Uma delas é Sealand. Em 1966, Roy Bates, um ex-fuzileiro naval, tomou posse da plataforma e decretou sua independência. O Parlamento inglês não gostou e mandou bombardear todas as outras plataformas, deixando Sealand por último. Porém, como Roy Bates, Príncipe da "Ilha", era cidadão britânico, ele seus domínios não foram bombardeados. E, invocando uma lei do século XVII, Roy garantiu a soberania do local: a plataforma de Sealand estava erguida em águas internacionais, logo, fora da jurisdição britânica. Hoje em dia, a situação mudou. O mar territorial britânico expandiu, englobando a plataforma. O site Pirate Bay já quis operar a partir de Sealand e o lugar já foi posto à venda por cerca de 900 milhões de dólares. Ninguém se interessou. =(

A plataforma de sealand
NOT UK. Motherfuckers...

A Ilha da Rosa já não teve a mesma sorte. Com o nome oficial de "Respubliko de la Insulo de la Rozoj" - o esperanto era a língua de Estado -, esta plataforma não estava no meio do mar esperando que alguém a ocupasse, mas foi construída para ter sua independência declarada. O engenheiro italiano Giorgio Rosa, como dito no início do texto, acordou com a brilhante idéia: "VOU FAZER UM PAÍS". Foi pro meio do mar e começou a construir o que seria a "Ilha da Rosa". No local, foram erguidos vários estabelecimentos, como bares, lojas de lembranças e correios. Considerada pelo governo italiano uma "desculpa para atrair turistas sem pagar taxas", um grupo de soldados tomou conta da ilha e esta foi demolida. A Rosa durou pouco.

cena final do Phantasy Star III
...enquanto ela afundava no mar...

Outra história esquisita é a do Arquipélago de Minerva. Fora duas ilhas construídas sobre atóis submersos. Um empresário arrecadou supostos 100 milhões de dólares para o projeto e "encomendou" vários navios carregados de pura areia australiana (exportada de Hutt River, talvez) para criar alguma coisa acima do nível do mar. Os países em volta, provavelmente preocupados com alguma atitude imperialista vinda do banco de areia realizaram uma conferência, na qual Tonga afirmou soberania sobre o local, por ser "tradicional local de pesca do povo tonganês". Os outros países concordaram e o Rei de Tonga mandou uma expedição para  o arquipélago rebelde. A bandeira tonganesa foi hasteada na duna mais alta. Consta que o Oceano Pacífico, por sua vez, ignorou a declaração e a bandeira de Tonga e engoliu a ilha novamente. 

Ilha de minerva ocupada por tonga
Vocês vieram minervar na ilha errada!

E finalmente, a famosa Hutt River. Território? 75 Km². Maior que o Rio Grande do Norte ou a República de San Marino. População? 30 pessoas vivendo de forma permanente no local; cerca de 15 mil com um passaporte internacionalmente inútil rodando pelo mundo. Embora não seja reconhecida, é provavelmente a que deu mais certo. Recebe turistas, tem moeda, selos (estes reconhecidos pela Austrália) e uma empresa de Hong Kong, simpática ao sistema legal do principado, já quis abrir um escritório por lá. Tem uma capital chamada Nain e declara ser uma monarquia constitucional hereditária. Pelo que consta, ninguém na Austrália quer fincar bandeira ou dinamitar nada, já que o lugar virou uma atração turística - o que no final das contas acaba sendo benéfico para todo mundo... Está ali, sossegada desde 1970. Epic Win.

hutt river
Hutt River.

bandeira de hutt river
Bandeira local. Uma balança, um pássaro... Mas eu só consigo ver um boi.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...